Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre (SPPA)

ANO 20 • • Nº 38

ÓRGÃO OFICIAL DA SOCIEDADE PSICANALÍTICA DE PORTO ALEGRE

Porto Alegre | RS

Autores

Lúcia Thaler

Diretora de Publicações

Paulo Berél Sukiennik

Editor do Jornal

Laura Meyer da Silva

Comissão Editorial

Marcelo Felippe

Comissão Editorial

Marcelo Garcia Vaz

Comissão Editorial

Regina Orgler Sordi

Comissão Editorial

Resistir: Palavra de Ordem

  • O digital virou a regra; o analógico, a exceção. Celulares e notebooks transformaram-se em indispensáveis ferramentas de trabalho e versões improvisadas dos consultórios dos psicanalistas.

O Jornal da SPPA orienta-se por vários pontos de atração. O traçado não tem sido retilíneo, pois, em tempos de abalo e precariedade, o pensar da equipe organiza-se pelo passo atual, sem saber, com certeza, qual será o movimento seguinte. Ainda assim, o Jornal busca estar à altura dos acontecimentos.

Resistir tem sido a palavra de ordem. Enquanto a previsibilidade, as certezas e as esperanças estão em quarentena, perguntamo-nos para onde dirigir o nosso olhar, onde colocar o foco. Como podemos nos preservar em nível individual e relacional, dando continuidade aos caminhos, experiências e projetos de vida, sem nos iludirmos com soluções mágicas e negando a realidade?

Um dos problemas de qualquer situação crítica é que a angústia a ela inerente interfere na capacidade para pensar. A crise atual coloca-nos atravessados na clínica, tanto pelas questões privadas dos pacientes quanto pela realidade compartilhada por ambos. Trata-se do fenômeno de mundos superpostos, como explicam Puget & Wender (1982), quando avaliam que analistas e pacientes convivem com um “fora” comum e planetário, que está a todo tempo decidindo por nós.

O desafio da resistência está em criar ferramentas, recursos simbólicos diversos para abrir novos sentidos à existência. Como explica Foucault (1979), resistir é aproveitar a capacidade que a vida oferece para entrar em relações não calculadas, sempre mutáveis, indo além das estratégias conhecidas, criando possibilidades de forças inéditas. Nesta inflexão, resistir é criar um tempo novo no qual a nossa indignação cede lugar a espaços de vacilação que, por sua vez, permitem a realização de novas escolhas.

A pandemia acarretou a necessidade da Comissão do Jornal de transformar as reuniões presenciais em reuniões virtuais, com o desafio de manter a prerrogativa de integração e de unidade no grupo. O trabalho da equipe levou a resultados positivos, propondo importantes mudanças. A mais significativa delas foi a modificação do conceito do Jornal, de passar de versão impressa para on-line, atendendo a uma solicitação da Diretoria da SPPA, que visava tornar o periódico mais atual e sustentável. Assim, através de sua nova forma de publicação, a linguagem do Jornal acabou por se aproximar daquela dos atendimentos on-line, modalidade imposta para garantir o prosseguimento da prática psicanalítica nos últimos dois anos. Antes tema de inúmeros questionamentos e discussões acerca da sua validade, efetividade, bem como de suas indicações, os atendimentos virtuais passaram a ser uma realidade imperativa. O digital virou a regra; o analógico, a exceção. Celulares e notebooks transformaram-se em indispensáveis ferramentas de trabalho e versões improvisadas dos consultórios dos psicanalistas. Tornou-se fundamental aumentar a proximidade da Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre com a comunidade através de informações, artigos assinados e notícias, em um veículo que acompanhasse essas mudanças. Assim, nasceu a newsletter da SPPA.

Nessa edição, a última desta equipe ligada à Diretoria cuja gestão termina em janeiro de 2022, o Jornal conta com artigos de colegas psicanalistas sobre o tema resistência, que, no entender da Diretoria e da Comissão Editorial, representa um caminho essencial para o enfrentamento da crise que assola o mundo. Há também um artigo sobre arte e psicanálise, consoante à ideia de Freud de que a arte ainda é uma das maneiras mais saudáveis e elevadas para dar vazão às pulsões e necessidades do ser humano.

Em momentos de tantas incertezas, o caminho para a chegada de um novo tempo, ainda desconhecido, mas sonhado como mais rico e produtivo, também tornou-se um desafio. Parece ser necessária a busca de novos horizontes e espaços múltiplos de expressão para que se resista a polarizações e maniqueísmos, aceitando o fato de que vivemos em um mundo complexo. Esperamos que o Jornal da SPPA propicie mais um passo nessa direção.